22/05/2015 17:21:00

Mudanças no trânsito da Avenida Dorgival, discutidas em audiência, devem ser mantidas‏

A opção da implantação do estacionamento rotativo foi considerada inviável, por estudos preliminares

José Carlos quer ver os laudos técnicos, que justificam as mudanças José Carlos quer ver os laudos técnicos, que justificam as mudanças. Foto: Kelly Queiroz/Assimp

A Comissão de Obras e Serviços Públicos, representada pelo vereador-presidente Enoc Lima Serafim (PDT) conduziu a audiência pública que discutiu as mudanças no trânsito da Avenida Dorgival Pinheiro de Sousa.

Comerciantes, representantes de sindicatos, de associações, Comandante do Batalhão da Polícia Militar, o secretário municipal de Trânsito, a população e vereadores tiveram a oportunidade de discutir e sugerir soluções.

O propositor do debate, vereador-presidente José Carlos Soares Barros (PTB), observou o interesse que a população vem manifestando ao participar das discussões levantadas pela Câmara Municipal. José Carlos não concorda com a decisão da retirada do estacionamento de um dos lados da via e afirma que isso fere a Lei da Acessibilidade garantida aos cidadãos.

“Os direitos dos cidadãos estão sendo desrespeitados em todos os sentidos. Os hospitais, clínicas, óticas estão na Avenida Dorgival e são frequentados por pessoas com mobilidade reduzida, ou com deficiências, que estão sendo prejudicadas. A Lei de acessibilidade não é para os veículos, e sim para os pedestres,” afirmou.

Os representantes de sindicatos, associações, e comerciantes que usaram a Tribuna, relataram que estão sendo prejudicados com queda nas vendas, depois da decisão tomada pelo poder executivo. Todos foram unânimes em sugerir a regulamentação do estacionamento, com a zona azul, onde se paga para estacionar por tempo determinado.

Segundo o presidente do Sindicato dos Agentes de Trânsito Juracy Andrade, todas as mudanças foram baseadas no Código de Trânsito Brasileiro que preza a mobilidade, a segurança e integridade das pessoas e que gerir o trânsito é de competência da prefeitura.

Para o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Francisco da Silva Almeida é necessária a discussão em busca dos meios, para que a mobilidade fique leve, já que Imperatriz é a segunda maior cidade do Maranhão e deve ser vista como uma metrópole, onde cada um deve fazer a sua parte.

“Não podemos mais pensar como uma cidade pequena. A construção de Imperatriz não é responsabilidade só do prefeito, mas é responsabilidade de todos nós que habitamos nesse município.”

Esclarecimentos - O secretário municipal de Trânsito e Transporte José de Ribamar Alves explicou que tem enfrentado grandes desafios para organizar o trânsito, onde hoje circula mais de 125 mil veículos e que o trabalho feito tem sido criterioso para atender as necessidades.

“A Dorgival Pinheiro é um patrimônio público de todos, mas, que alguns comerciantes utilizam visando apenas interesses individuais. O fluxo na avenida melhorou 99 por cento, e é obvio que nem todo mundo aplaudiu essa mudança.”

Ainda segundo o secretário, todas as medidas adotadas estão dentro dos princípios de legalidade. “Foi feito também um estudo sobre a implantação do estacionamento rotativo, que não deu certo em lugar nenhum, porque a população não aceita cobranças a mais de tributos”.

O vereador-presidente José Carlos Soares Barros (PTB), finalizou a audiência solicitando cópias dos laudos técnicos dos estudos realizados, garantindo aos comerciantes que vai continuar lutando para ajudar o povo que está sendo prejudicado. 

Fonte: Mari Marconccine/Assessoria