13/05/2015 01:50:49

Comissão de Obras da Câmara Municipal apura denúncias no Parque Amazonas‏

Esgoto é despejado de forma in natura próximo ao poço artesiano perfurado pela Caema

Vereadores da Comissão de Obras apuram denúncias no Parque Amazonas Vereadores da Comissão de Obras apuram denúncias no Parque Amazonas. Foto: Kelly Queiroz/Assimp

Imperatriz – Em atendimento a solicitação do vereador-presidente José Carlos Soares Barros (PTB), o presidente da Comissão de Obras e Serviços Públicos, da Câmara Municipal de Imperatriz, Enoc Lima Serafim (PDT), realizou na manhã dessa terça-feira (12) vistoria para apurar denúncia de “invasão” da área do poço artesiano, no Parque Amazonas.

 

Os trabalhos da Comissão de Obras também foram acompanhados pelos vereadores Fidelis Uchoa (PRB) e Antônio José (DEM) que verificaram in loco a denúncia formulada pelo líder comunitário Expedito Silva. A obra de perfuração do poço artesiano, iniciada no governo passado, faz parte do programa “Viva Maranhão”, que prevê a ampliação do sistema de abastecimento de água, em Imperatriz.

 

De acordo com o vereador Enoc Serafim, o terreno pertencia a Associação de Moradores do Parque Amazonas que doou a área para o município de Imperatriz. “O legislativo aprovou a doação do imóvel repassando ao Governo do Estado e a Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema) para a perfuração do poço artesiano e a construção de rede de abastecimento”, disse.

 

Agora, explica o parlamentar, surgiu um residencial ali próximo onde o proprietário resolveu despejar o esgoto in natura na área do poço artesiano que será utilizado pela comunidade do Parque Amazonas. Ele também alega ser o legítimo proprietário de parte do terreno onde foi perfurado o poço artesiano.

 

De pronto, a comissão solicitou – via ofício – que providências sejam adotadas pela Secretaria Municipal de Planejamento Urbano e Meio Ambiente (Sepluma) para coibir o despejo de “esgoto a céu aberto” na área do poço artesiano. Outra medida adotada pela comissão foi solicitar à Secretaria Municipal de Regularização Fundiária (SERF) que verifique a situação documental da área do poço no Parque Amazonas.

Fonte: Gil Carvalho/Assessoria