Estacionamento público do aeroporto permanece fechado em Imperatriz‏


Post

Imperatriz – O fechamento do estacionamento público no aeroporto Renato Cortez Moreira, e a rigorosa fiscalização feita pelos agentes de trânsito da Prefeitura de Imperatriz será tema de audiência pública no plenário da Câmara de Vereadores.  A proposta é esclarecer à sociedade sobre a necessidade de regularmentar o espaço público.

A audiência foi solicitada pelo vereador Hamilton Miranda (PSD). A sessão será dirigida pelo vereador Weudson Feitosa dos Santos (PTdoB), o bispo Eudes,  presidente da Comissão de Defesa do Consumidor e dos Direitos Humanos, da Câmara Municipal de Imperatriz.

De acordo com o vereador Antônio Fernandes de Oliveira (DEM), a lei municipal nº 0850, disciplina que “estradas, caminhos e acessos não podem ser fechados por mais de 90 dias, exceto quando estiver em obras”. “Temos conhecimento que em outras cidades existem estacionamentos privados, porém com espaços reservados para área pública”, disse.

Segundo ele, os agentes de trânsito estão sendo obrigados a cumprir ‘fiscalização rigorosa na área do aeroporto de Imperatriz, principalmente quando do pouso e decolagem de grandes aeronaves’. “A presidência enviou ofício ao secretário municipal de Trânsito e Transportes, José Ribamar Alves Soares, o cabo J. Ribamar, a prestar esclarecimentos durante audiência pública sobre essa situação configurada no aeroporto”, disse.

Antônio José justificou que “não é contra a privatização do estacionamento, porém entende que é necessário o município regulamentar espaço público para estacionamento rotativo de veículos no aeroporto de Imperatriz”. “É de interesse da empresa que construiu esse estacionamento privado o fechamento da área pública no aeroporto para obrigar os motoristas a pagar, pois muitas pessoas ficam aguardando pelo desembarque ou embarque de parentes e amigos”, suspeita. 

O parlamentar questionou que a tolerância para embarque e desembarque é de apenas dois minutos, tempo considerado insuficiente para um cidadão portador de necessidade especial descer do veículo para realizar o check in no balcão da companhia aérea. “Temos é que repudiar essa atitude que massacra o cidadão imperatrizense”, conclui.