11/11/2014 16:57:28

Audiência pública marca a campanha Novembro Azul‏

Várias entidades da área da saúde estiveram reunidas para reforçar a campanha de prevenção ao câncer de próstata

Comissão de Saúde reforça ações preventivas da campanha Novembro Azuis em audiência pública Comissão de Saúde reforça ações preventivas da campanha Novembro Azuis em audiência pública. Foto: Fábio Barbosa/Assimp

Imperatriz – A audiência pública realizada na manhã desta terça-feira (11) na Câmara Municipal reuniu a comunidade e representantes de órgãos diretamente ligados à saúde pública. Organizada pela Comissão de Saúde e Assistência Social, presidida pela vereadora Terezinha Oliveira Santos (PSDB), a reunião reforçou a importância da campanha de conscientização sobre a prevenção da doença.

O coordenador da atenção básica do municipal Anderson nascimento ao usar a Tribuna falou sobre a importância da prevenção já que cânceres de próstata e de pênis são os que mais matam os homens no Brasil.

“São homens saudáveis, que não tem doenças secundárias, pela simples falta de prevenção e de cuidados. O programa Saúde do Homem só tem dois anos de implantado porque foi constatado que os homens não tomavam a iniciativa de procurar os serviços de saúde. 90 % do câncer tem cura deste que diagnosticado e tratado precocemente.”

Estatísticas - Segundo o coordenador do setor de oncologia do hospital São Rafael, José Valmir Oliveira Silva, as estatísticas são preocupantes. 54% dos pacientes tratados são de câncer de próstata. Em seguida vem o câncer de pele. O índice nacional de casos de câncer de próstata é de 9%. Na Região Tocantina sobe para 22%, um número considerado alto, já que cerca de 1/3 dos pacientes chega ao hospital em fase terminal.

O vereador Marco Aurélio da Silva Azevedo (PC do B) ressaltou a importância da campanha de conscientização, principalmente aos que tem menos acesso à informação. 

“Precisamos despertar para a prevenção. Quero destacar o trabalho dos servidores da saúde da atenção básica e os serviços da Ampare. Muito do que foi conseguido foi graças ao trabalho da Ampare. Hoje grande parte dos atendimentos é feito aqui, mas ainda há muito a ser feito.”

Fonte: Mari Marconccine