Escolas municipais podem ficar sem cuidadores e intérpretes/tradutores de alunos com deficiência‏


Post

Data: 07/11/2019 | Fonte: Mariana Castro | Fotografo: Mariana Castro

Em Imperatriz, cerca de 350 cuidadores educacionais e 13 intérpretes/tradutores terão o contrato encerrado com a Prefeitura Municipal de Imperatriz, no entanto, não há previsão de novas contratações e ainda, não há vagas disponíveis no concurso municipal para desempenhar as referidas funções. 

            Os cuidadores e os intérpretes/tradutores de libras são profissionais que garantem a inclusão e a aprendizagem de alunos com deficiência e Transtorno do Espectro Autista (TEA). Os cuidadores, por exemplo, auxiliam os alunos em atividades diárias e práticas que eles não conseguem desempenhar sozinhos, tais como: ir ao banheiro, se alimentar, manusear os objetos de aprendizagem, entre outras.

            No uso da tribuna desta quarta-feira (6), o vereador Aurélio (PT) alertou para a gravidade do assunto, garantindo que os alunos poderão inclusive deixar de ir à escola. “As crianças dependem desse trabalho e precisam de acompanhamento. Se não tiver o cuidador e os intérpretes/tradutores, os pais não podem nem levar as crianças para a escola. Pedimos atenção e sensibilidade da Prefeitura para esse caso!”.

            Josevan Carlos, pai de aluno com deficiência que cursa o 5º ano e é acompanhado por cuidador na Escola Municipal Domingos de Moraes pede sensibilidade da Prefeitura. “Já faltam cuidadores e se ainda ficar sem os que tem, como vamos ficar? Meu filho ficou de maio a junho desse ano sem ir para a escola, precisei recorrer ao vereador Aurélio e fomos na Justiça. Nossos filhos não podem ficar sem cuidador, isso significa ficar sem ir à escola!”.